business

Ad

domingo, 20 de outubro de 2013

Aconteceu!: Em 1944 nascia Marcelo Gastaldi, a Voz do Chaves no Brasil

1943: Raúl "Chato" Padilla completava 25 anos - 1944: Nascia Marcelo Gastaldi - 1945: Chespirito e Horácio Goméz fundam o grupo ”Aracuán”.


Em 20 de Outubro de 1944, há exatos 69 Anos, nascia em São Paulo a voz que imortalizou Chespirito nas séries Chaves e Chapolin no Brasil, Marcelo Gastaldi.

Indiscutivelmente o sucesso de Chaves e Chapolin no Brasil se deve a dublagem, e Marcelo Gastaldi foi um dos responsáveis por ela, mas a vida deste grande dublador não se resume apenas a Chaves e Chapolin, Gastaldi também emprestou sua voz para Charlie Brown, Wada em Spectreman, Super Herói Americano, em Racoons, PC em People, e John em John e Yoko - Uma História de Medo, e de várias outras personagens de desenho animado, entre eles personagens secundários no desenho do Pica-Pau.  


Nos anos 80 fundou o estúdio de dublagem Maga que não tinham um estúdio próprio, as gravações geralmente eram feitas nos estúdios da TVS, e posteriormente nos estúdios da Marsh Mallow. A Maga (MArcelo GAstaldi), apareceu logo após o fechamento dos estúdios Com Arte e Elenco, também ligados à emissora de Silvio Santos. As duas companhias de dublagens, utilizaram o mesmo "cast" de dubladores, os mesmos estúdios e equipamentos. Na verdade a Maga não era um estúdio, e sim uma cooperativa de dubladores. Atualmente é o Estúdio Marshmallow.

Engana-se quem pensa que Gastaldi se restrigia apenas na área da dublagem, ele também atuou e foi cantor.
Como ator, participou de 3 seriados de TV nos anos 1960 e 1970, dentre elas Regina e O Dragão de Ouro. Trabalhou nas novelas Eu Amo Esse Homem em 1964, da TV Paulista e Sombras do Passado em 1983, do SBT. Gastaldi ainda produziu e atuou em um seriado inspirado em Chaves junto com outros dubladores das séries chamado Feroz e Mau-Mau, aonde interpretava o personagem Mau-Mau.
Veja abaixo o episódio piloto da série:


Como cantor foi membro do grupo Os Iguais da Jovem Guarda, junto com Mário Lúcio de Freitas, Antônio Marcos e Appolo Mori.

Em entrevistas com Mário Lúcio de Freitas e Cecília Lemes, amigos pessoais que por anos trabalharam com Gastaldi,  buscamos saber mais sobre a vida pessoal e profissional deste showman.


Mário Lúcio de Freitas,
produtor musical, compositor, músico, apresentador, dublador, diretor de dublagem, cantor, ator e foi amigo pessoal de Gastaldi.





 
 O Baú -  Quando e como que você conheceu Gastaldi?.

Mário Lúcio - Eu o conheci na TV Paulista (hoje, Rede Globo), em 1960. Fui contratado para trabalhar lá como ator, apresentador e cantor e ele já trabalhava lá como ator.

O Baú - E vocês aparentemente pareciam ser amigos pessoais, Como era Marcelo no dia-a-dia fora dos estúdios de dublagem?.

Mário Lúcio - Sim, éramos amigos, ele e sua esposa Olga até batizaram um dos meus filhos. Tivemos um quarteto vocal juntos (Os Iguais), em 1966 e compusemos muitas canções e aberturas de TV em parceria. Ele era extremamente caseiro, curtia muito sua família.

O Baú - A família de Gastaldi que dizem estar passando por necessidades, você tem contato com eles e essa informação procede?.

Mário Lúcio - Quanto ao fato de seus filhos e sua esposa estarem passando dificuldades financeiras, a informação procede. Tenho contato com eles, mas de maneira eventual.



 

Cecília Lemes,
Atriz, dubladora da Chiquinha e Paty, e foi amiga particular de Gastaldi.






O Baú - Quando e como você conheceu Gastaldi?

Cecília - Eu conheci o Marcelo quando comecei a dublar, em 1969. Nós sempre nos encontrávamos nos estúdios. Trabalhamos juntos também em outros projetos, como um em que nós gravávamos vozes para uma produção de teatro japonesa para apresentação no Brasil. Essa mesma produtora foi quem me levou ao Japão para atuar em um filme para cinema, Regina e o Dragão de Ouro. Nesse filme o Marcelo fez a voz de um boneco chamado Papagaio Gaio. Como esse filme fez sucesso, acabou dando origem  a peças de teatro, e, com isso, eu e o Marcelo viajamos durante uns dois anos pelo Brasil para as apresentações. Depois, esse filme também deu origem a um quadro no programa Gente Inocente da TV Tupi. Com esse convívio todo, a nossa amizade ficou bem fortalecida.

O Baú - Como era a rotina de vocês nos estúdios de dublagem e os momentos em família?

Cecília - Naquela época, a rotina de dublagem era diferente. Não havia tantos recursos técnicos. Para você ter uma idéia, todos os dubladores trabalhavam juntos no estúdio. Para dublar um filme de longa metragem, demorava uns quinze dias. Hoje cada dublador grava sozinho a sua parte, e um filme demora uns quatro dias para ficar pronto. Na TVS (SBT), a nossa rotina de trabalho era diária. Trabalhávamos muito, mas, em alguns finais de semana nos encontrávamos, e algumas vezes eu, meu marido e nossas duas filhas fomos para Bertioga convidados pelo Marcelo e pela Olga, onde eles tinham uma casa de praia. Gostamos tanto que acabamos construindo uma casa na outra esquina da rua deles. Assim, nossas crianças, quatro deles e as duas nossas, também conviveram bastante. Daí você pode ter uma ideia da nossa amizade e da saudade que temos daqueles momentos em que convivemos com Marcelo Gastaldi.

O Baú - E a família dele vocês ainda tem contato?

Cecília - Temos contato sim, embora não com muita frequência......

Nota: Entrevistas feitas via Facebook.



E assim no dia 3 de agosto se passou 18 anos desde a morte de Marcelo aos 50 anos, comentando-se inclusive que a causa de sua morte deve-se a um atropelamento, porém a causa morte se deu devido a uma baixa em seu sistema imunológico, causado pelo agravamento de sua diabetes.

Nossos singelos agradecimentos ao Mario Lúcio de Freitas e a Cecília Lemes pela atenção e pela credibilidade que nos foi colocada.

Abaixo um vídeo em homenagem à Marcelo Gastaldi, como música de fundo A Partida maior sucesso do Quarteto Os Iguais.


E essa foi nossa primeira edição muito especial da Coluna Aconteceu!, deixe seu comentário.


Até a próCHima!

Entrevista, pesquisa, texto, roteiro e vídeo: JefeCH
Revisão: Roberto Cirilo

3 comentários:

Mário Lúcio disse...

Parabéns, amigo. A homenagem ao Marcelo é extremamente merecida.

JefeCH disse...

Obrigado você pelo prestigio e comentário, continue nos acompanhando! :)

Anônimo disse...

ae

Postar um comentário

 
Este blog é independente, sem vínculo com a Televisa © ou quaisquer outras emissoras transmissoras das séries de Chespirito | Desing de Roberto Cirilo